Últimas Publicações

credit card 1730085 1280 348x215 - Os 5 Métodos de Pagamento Online Mais Usados Pelos Portugueses

Os 5 Métodos de Pagamento Online Mais Usados Pelos Portugueses

Já sabemos que os portugueses são um povo feito de hábitos e, com o avanço da tecnologia, as compras online não são exceção e já fazem parte da rotina de …

Últimos Artigos


Os 5 Métodos de Pagamento Online Mais Usados Pelos Portugueses

credit card 1730085 1280 735x400 - Os 5 Métodos de Pagamento Online Mais Usados Pelos Portugueses

Já sabemos que os portugueses são um povo feito de hábitos e, com o avanço da tecnologia, as compras online não são exceção e já fazem parte da rotina de todos, apresentando-se como uma solução prática e confiável para quem dispensa idas a centros comerciais, lojas e até casinos físicos.

A verdade é que as vantagens de comprar online são infinitas… Disponibilidade 24/7, sem filas e sem complicações. Agora pode até fazer as suas apostas no conforto da sua casa, com toda a segurança. O site Mister Casino analisou quais os métodos de pagamento online mais comuns e mais utilizados em Portugal no comércio eletrónico. Ficou curioso? Continue connosco.

#1 Cartão de Crédito

O cartão de crédito é, sem dúvida alguma, o método de pagamento online preferido dos portugueses. Em estabelecimentos online, é mais usual serem utilizados os cartões virtuais, visto que não é necessário fornecer informações pessoais como o número do cartão e o nome do titular.

Pode criar o seu cartão virtual através do serviço MB Net, podendo adicionalmente definir um limite máximo de utilizações. O pagamento é efetuado de forma imediata, desde que exista saldo no cartão utilizado. Caso prefira utilizar os dados reais do seu cartão, certifique-se que o site onde está é de confiança, evitando assim tentativas de fraude e outras situações menos agradáveis.

#2 Transferências Bancárias

Apesar de ser um dos métodos mais antigos, é ainda um dos grandes favoritos para pagamento das compras online em Portugal. As transferências bancárias podem ser realizadas nas caixas multibanco, aplicações bancárias, homebanking ou nos balcões das instituições bancárias.

Este serviço é altamente confiável, seguro e prático, embora a sua maior desvantagem seja o facto de demorar alguns dias até o pagamento ser confirmado, dado que na maioria dos sites o pagamento tem de ser confirmado manualmente.

#3 Multibanco

O serviço Multibanco permite aos seus utilizadores a criação de uma referência com os dados de pagamento, que pode ser paga em caixas automáticas ou nos websites/aplicações dos bancos portugueses.

O pagamento é confirmado de imediato e este processo permite a confidencialidade dos dados do utilizador. Este sistema é pertencente à SIBS e é uma referência internacional em comodidade e privacidade.

#4 PayPal

O PayPal é o serviço intermediário para compras online mais popular em todo o mundo. Nós também não somos exceção e este é dos métodos mais utilizados para comprar online. A segurança, facilidade de utilização e credibilidade é a chave do seu sucesso. Nenhuma das informações é partilhada, dado que basta utilizar o seu e-mail para confirmações das encomendas.

Este sistema garante proteção contra pagamentos fraudulentos, muitas vezes criando uma disputa em que facilmente pode reaver o seu dinheiro, caso o vendedor não seja fidedigno.

#5 MB Way

O MBWay é uma solução interbancária segura que permite a compra imediata e qualquer tipo de transferências através de um smartphone ou de um tablet. Lançada em 2014 com o objetivo de aumentar a comodidade nas compras online, facilmente se tornou viral e é já utilizada por mais de 1,4 milhões de portugueses.

Se ainda não conhece, informamos que pode realizar uma infinidade de ações, como a geração de cartões virtuais, levantamento de dinheiro, compras online e pagamentos através de QR Code ou NFC.

Mais de 9 milhões de portugueses já fazem tudo online. Desde compras a jogos em casinos online, o mundo digital chegou para ficar. Já não precisa de sair de casa para comprar o que precisa, ninguém vê o que compra e tem acesso a sites com ofertas exclusivas a preços bastante apelativos. Vai apanhar esta onda?

Hacker Português Responsável Pelo “Luanda Leaks”

hacker 2300772 1280 735x400 - Hacker Português Responsável Pelo “Luanda Leaks”

São 715 mil documentos, contemplando e-mails, contratos, auditorias, formas de pagamento e contas obtidas. “Luanda Leaks” é um dossier que foi divulgado pelo ICIJ – Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação – e analisa 356 Gigabytes de informação relativa aos negócios de Isabel dos Santos entre os anos 1980 e 2018.

Divulgado no dia 19 de Janeiro, “Luanda Leaks” desmascara o império de Isabel dos Santos, feito  a partir das relações privilegiadas com o Governo de Angola que é presidido pelo seu pai, José Eduardo dos Santos.

Entre faturas e ordens de pagamento, existe uma transferência de 100 milhões de euros da Sonangol para uma empresa offshore no Dubai. Os documentos atestam a existência de uma rede com mais de 400 empresas, sendo que a maior parte delas é offshore, revelando todos os investimentos e a origem da fortuna de Isabel dos Santos que, até agora, é a mulher mais rica em Angola.

Antigos parceiros, empresas com participação na sua empresa, governos e entidades de justiça pelo mundo inteiro lançam ataques contra Isabel dos Santos, que garante combater esta polémica nos tribunais até ao fim.

O procurador geral de Angola afirmou até que pode, eventualmente, ser emitido um mandado de captura contra Isabel dos Santos, caso a lei o permita. O próprio governo angolano afirma que “a lei tem de ser igual para todos”, dado ênfase à sua convicção de tentar desvendar o caso a fundo.

Posição portuguesa

O Ministério Público refere que irá “analisar toda a informação que tem vindo ao público, desencadeando os procedimentos adequados no âmbito das suas atribuições”. Afirma ainda que “dará total seguimento aos pedidos de cooperação judiciária”.

“John”, das “Football Leaks”

O advogado de Rui Pinto, William Bourdon, mais conhecido como “John” das “Football Leaks”, revela que Rui é a única fonte de investigação conhecida por parte de toda a informação desvendada no caso “Luanda Leaks”. O disco rígido foi partilhado com a PPLAAF, uma plataforma de proteção de denunciantes em África.

Rui Pinto passou 3 anos a trabalhar por detrás deste pseudónimo, enviando mais de 70 milhões de documentos de clubes de futebol para a revista alemã Der Spiegel. O nome “Football Leaks” ficou conhecido pelo facto de toda a informação descoberta revelar o alto nível de corrupção ao nível dos grandes clubes.

O site

Rui Pinto, numa entrevista exclusiva à Der Spiegel, revela que é fanático por futebol desde criança e percebeu que o futebol caminhava na direção errada. Toda a competição dava maior privilégio aos clubes de topo. Assim, o que impulsionou o hacker português a criar o site “Footbal Leaks” foi o enorme escândalo da FIFA em 2015.

A mulher mais rica de Angola envolvida num enorme escândalo de lavagem de dinheiro

O arguente aguarda julgamento em Lisboa e justifica que queria expor “todas as atividades que eram ilegais e contra o interesse público, auxiliando a sociedade a entender a cumplicidade e envolvência destes facilitadores no enriquecimento de Isabel dos Santos, à custa dos angolanos pobres”.

O seu advogado atesta ainda que “graças ao nosso cliente, os cidadãos portugueses, bem como os cidadãos do mundo inteiro, têm agora acesso à verdade de um extraordinário sistema de predação e corrupção, gravemente prejudicial para Portugal, Angola e outros países”.

O Fisco Saberá o Saldo da sua Conta Bancária este ano

Imagem em destaque O Fisco Saberá o Saldo da sua Conta Bancária este ano 735x400 - O Fisco Saberá o Saldo da sua Conta Bancária este ano

Tem mais de 50 mil euros na sua conta bancária? Saiba que, se for o caso, o fisco saberá o seu saldo bancário até 31 de julho deste ano de 2019. Este conhecimento chega à autoridade devido a uma nova lei implementada e que obriga à transmissão da informação referente ao último dia de 2018.

Esta lei já era obrigatória tendo como foco cidadãos não-residentes, de modo a permitir que os países de origem do proprietário tivessem o conhecimento quanto a essa conta. O mesmo acontecia a um cidadão português que tivesse uma conta no exterior.

Nestes cidadãos não-residentes não existe um limite que obriga a partilha desses dados pois esses devem ser sempre fornecidos. Por outro lado, com os residentes do país, as informações podem ser partilhadas apenas quando atingem o limite – superior a 50 mil euros.

O valor limite pode estar depositado em apenas uma conta ou em diversas contas abertas em diversos bancos.

Os movimentos de conta continuam a ser confidenciais

post imagem dois homem verificando sua conta bancária Portugal - O Fisco Saberá o Saldo da sua Conta Bancária este ano

Os bancos são obrigados a transmitir as informações relativas ao seu saldo a 31 de dezembro do ano anterior, mas essa é a única informação a que o fisco terá acesso. Os movimentos da sua conta continuam a ser confidenciais!

Apesar de muitos portugueses – e estrangeiros – se debaterem na questão da confidencialidade, já que a mesma é quebrada pela simples troca de informação, é defendido que essa é mantida. De forma resumida, os seus dados são tratados com segurança e de forma privada devido à Lei de Proteção de Dados Pessoais.

Existe, ainda, quem defenda que as informações são transmitidas por parte de uma esfera de confidencialidade – o banco – para outra esfera de igual confidencialidade – o fisco. Não deve recear estra transmissão de dados.

Apesar de a troca de informação ser restrita, permite ao fisco o cruzamento de dados que pode detetar uma situação de risco: esse é o principal objetivo. Inclusivamente este foi o principal motivo que levou à aceitação por parte do Governo.

Mesmo tendo em conta os aparentes benefícios, a lei esteve parada durante oito meses, só tendo sido aceite recentemente. Apesar de tal, a mesma já foi implementada para este ano de 2019, com informações relativas ao ano de 2018.

A informação será divulgada com a entidade até ao próximo dia 31 de julho de 2019, sendo esta a data limite para os bancos. Deste modo, caso tenha mais do que a quantia limite, o fisco terá esse conhecimento.

A Realidade da Austeridade em Portugal

featured image A Realidade da Austeridade em Portugal 735x400 - A Realidade da Austeridade em Portugal

Austeridade é um termo que, durante o tempo da crise, foi muito divulgado em Portugal. Apesar da sua importância, muitos portugueses não sabem o seu verdadeiro significado e, como tal, não conhecem a sua atuação no país.

Este ano irá entender um pouco mais sobre este termo e perceber qual a sua atuação no nosso país. Conhecerá um dos nomes que está ligado ao termo, Mário Centeno, e qual a sua posição sobre o mesmo.

Afinal, o que é austeridade?

postar imagem as pessoas a agir para eles querem e fazendo rally nas ruas Portugal - A Realidade da Austeridade em Portugal

Independentemente da idade do cidadão, o termo austeridade parece ser difícil de entender, mas não podia ser mais simples!

Austeridade é o rigor no controlo dos gastos. Esse rigor deve ser mantido de modo a alcançar um estado financeiro saudável para o país, algo conseguido através da implementação de legislações e medidas.

Este termo é muito usado para referir as medidas implementadas em países, mas pode ser facilmente explicado em momentos simples do quotidiano.

Austeridade e Portugal

postar imagem bandeira de Portugal com relatório de finanças com moedas em clip Portugal - A Realidade da Austeridade em Portugal

Mário Centeno é um dos nomes que se pronunciou sobre a austeridade no nosso país, dizendo que não existiu uma “viragem dramática” da mesma quando a crise chegou. O que isto significa? Que existiram mudanças em Portugal, mas, citando, “não foram grandes mudanças”; não havia necessidade de mudanças grandes.

Quando as medidas foram colocadas em prática, o ceticismo de outros era evidente, mas os resultados foram surgindo apenas por ser criado um plano, o qual foi mantido fielmente. Tornou-se possível melhorar diversos indicativos e ter finanças saudáveis.

Finalmente atingiu-se o momento em que as despesas nacionais se mantiveram controladas e os investimentos subiram. Houve uma queda nos juros da dívida pública, tornando-se uma atitude decisiva na redução do défice, segundo o ministro das Finanças.

A partir deste ano de 2019, o termo austeridade já não lhe deve provocar dúvidas! Lembre-se do que significa, como as medidas devem ser implementadas no país e, mais importante, quais os principais benefícios alcançados na implementação dessas mesmas medidas e legislações.